quarta-feira, 12 de março de 2014

A DECLARAÇÃO DA ONU E OS 216 PAÍSES A SEREM CRIADOS DENTRO DO TERRITÓRIO DO BRASIL.


É da maior importância que os brasileiros tomem  conhecimento de alguns artigos importantes da DECLARAÇÃO DA ONU/CONVENÇÃO OIT 169 da Organização Internacional do Trabalho/OIT-ONU, sobre os Povos Indígenas, ratificada em setembro de 2007 por Lula e Celso Amorim, porque tais artigos implicam na perda de território do Brasil G.C.:

A campanha indigenista está provocando uma escalada nos conflitos em vários Estados e revela potencial de uma guerra civil. Agora o risco será maior se o Governo não denunciar a Convenção dos Direitos dos Povos Indígenas até julho/2014, perderemos as condições jurídicas de recusar a independência e a secessão de quaisquer das reservas que assim o desejar.
                  
ONU quer a Amazônia
Pressionando Dilma Vana Rousseff 
-------------------------------------. (OIT 169)
* Os brasileiros não aceitam a secessão a divisão do Brasil em 216 duzentos e dezesseis países independentes do Governo do Brasil, conforme a Declaração da ONU, assinada pelos representantes brasileiros na Organização (criada para unir e não, desunir Nações).
A Câmara Federal, o Senado e o Congresso têm que se manifestarem, energicamente.
Os brasileiros já perceberam: os demais escândalos, políticos e financeiros - ocupando páginas inteiras de jornais, revistas e outros meios de comunicação – estão, apenas, tentando desviar a atenção da população brasileira, de modo a encobrir o escândalo maior: a declaração da ONU, assinada pela Delegação Brasileira, permitindo a criação de 216 países dentro do território do Brasil, “O” verdadeiro escândalo.
A Câmara Federal, o Senado e o Congresso, simultaneamente, têm que se manifestarem, firmemente, até, e porque, se não o fizerem, estarão, em se omitindo, atuando autofagicamente - porque, da União dos Estados do Brasil, depende os seus respectivos mandatos, subsídios, ou seja, os respectivos empregos de cada um deles (Deputados Federais e Senadores).
É preciso atuar firme e inteligentemente, juntando esforços contra a secessão, contra a desagregação. A tentativa de desagregar e destruir a nacionalidade brasileira disfarça-se em proteção aos indígenas, combate aos garimpeiros (brasileiros posseiros, ocupando terras do Brasil) invasão de grandes propriedades de fazendeiros (brasileiros posseiros, ocupando terras do Brasil) combate ao narcotráfico e proteção ao meio-ambiente.
A aprovação ..."não tinha a menor importância"..., segundo declarações, na época, do representante da Delegação brasileira na ONU, que aprovou a criação de 216   – duzentos e dezesseis - países na Amazônia.
Mas os 216 pedaços do  território brasileiro serão desmembrados do território do Brasil, completamente independentes e desligados do Governo do Brasil.
A declaração da ONU não pode ser referendada de modo algum pelo Congresso Nacional, porque, foi assinada com desconhecimento total do então Ministro de Estado Embaixador Celso Luiz Nunes Amorim, o Chanceler do Brasil.
A mínima prudência que deveria obrigatoriamente ter tido a representação brasileira, na ONU, deveria ter sido a consulta prévia ao Chanceler do Brasil, antes de assinar a referida Declaração.
Descaso, imprudência, inconseqüência ou ignorância não podem ser aceitas como atenuantes: por dever de ofício, os representantes da Delegação Brasileira na ONU, os quais assinaram a referida Declaração tinham e têm a obrigação de serem prudentes, conseqüentes e informados.
O Governo Brasileiro não   pode aceitar governar um “pedacinho” árido do Brasil, sem minerais energéticos, sem a parte principal do território do Brasil - contida na  insana e imoral proposta da Declaração da ONU, assinada pelos representantes brasileiros na Organização (criada, repita-se, para unir, e jamais,  desunir Nações).
Por dever de ofício, a Câmara Federal, o Senado e o Congresso Nacional têm que fazer vigília, um esforço heróico e desesperado, objetivando não permitir a desagregação do Brasil. Os eleitores e a população brasileira desafiam qualquer um dos seus Representantes a explicar didaticamente do que trata exatamente a Declaração da ONU: são minoria os informados; são alguns, os oportunistas omissos; e são muitos, a maioria, completamente ignorante, nada sabendo sobre a Declaração da ONU.
Câmara Federal, o Senado e o Congresso Nacional tem que emtrar direto no ponto. Têm que evitar heróica e desesperadamente a divisão do Brasil.
A Câmara Federal, o Senado e o Congresso têm que se manifestarem, energicamente. A referida aprovação   ignorante, na melhor das hipóteses -  a luz do Direito e da moral  - tem que ser rechaçada, retificada, não há como ratificá-la.
Todos os representantes da Delegação Brasileira na ONU, que assinaram a referida Declaração cometeram crime, de lesa-pátria.  Chamá-los à responsabilidade é preciso.
Crime de lesa-pátria é uma ação ou omissão que se proíbe e se procura evitar, ameaçando-a com pena, porque constitui ofensa (dano ou perigo) a um bem jurídico coletivo.
Crime de lesa-pátria é a ação ou omissão típica, ilícita e culpável. Crime de lesa-pátria é toda conduta típica, antijuridíca - ou ilícita - e culpável, praticada por um ser humano.
É uma violação da lei ordinária penal incriminadora, subordinada aos ditames da Constituição Federal.
No crime de lesa-pátria, a culpabilidade do crime é um pressuposto da pena e a periculosidade um pressuposto da medida de segurança.
Este é o maior escândalo. Ganha de goleada de qualquer "escândolozinho" praticado por corruptos e corruptores.
Quem ganhou o que, com esta insana entrega do território do Brasil à revelia dos residentes no Brasil - é a questão final, que deve ser apurada por todos os meios permitidos em Direito.
O Artigo 60, parágrafo 4º., Inciso I da Constituição da República Federativa do Brasil-1988 proíbe a secessão e tem que ser respeitado.
Os Deputados e Senadores brasileiros a custa do erário público, quando visitam a ONU voltam da Organização em Nova York, completamente desinformados.
O Congresso Nacional não pode e não tem a prerrogativa de aprovar a Declaração da ONU, porque:
-a Declaração da ONU, da qual se trata, é a que pretende dividir o Brasil em 216 países independentes do Governo Federal do Brasil, violando o Artigo 60, parágrafo 4º., Inciso I da Constituição da República Federativa do Brasil que proíbe a secessão;
se o Congresso Nacional aprovar, a referida Declaração da ONU, a Declaração da ONU se transformará em Emenda Constitucional a ser cumprida, contrariando a Constituição Federal-88, Lei Maior;
- e, o Congresso Nacional estará praticando crime de lesa-pátria, comissivo, por agir contra o Brasil, aprovando uma Declaração de organismo internacional, cujo objetivo é o de dividir o Brasil em 216 países independentes do Governo Federal do Brasil (entre diversos outros argumentos de Direito e de fato, contrários à aprovação da Declaração da ONU). 
Comissão Parlamentar de Inquérito - CPI de alto nível, Polícia Federal, Agência Brasileira de Informações Nacionais-ABIN unidos e utilizando todos os recursos jurídicos, inclusive, a abertura de sigilos Bancários, de todos os representantes da Delegação Brasileira na ONU, que assinaram a referida Declaração - é o mínimo que os brasileiros esperam. Os eleitores e a população brasileira estão atentos!
Os que querem porque querem dividir o território do Brasil contam com a ganância, a corrupção e a ignorância - na melhor das hipóteses - dos Governantes e políticos brasileiros: apostam que estão lidando ..."com um bando de ignorantes, vendidos e corruptos, aos quais se compram por meia dúzia de dinheiros".
Não estão.  Ignorâncias à parte, o brasileiro está atento, tem que estar atento, a questão não é nem de inteligência: a questão é de sobrevivência. Deixem o território do Brasil em paz. Lembrem os exemplos históricos de como não- fazer.
Tentem, pelo menos uma vez nas histórias ridiculamente sangrentas de seus respectivos países .
Tentem - pelo menos uma vez - nas histórias sangrentas de seus respectivos países - a aprender a respeitar e a conservar um amigo: o amigo-Brasil.
Os Estados Unidos do Brasil, inclusivo e amigo merece respeito!
Villas Bôas avisou...
Adendo em 02/04/2014:
A DECLARAÇÃO DA ONU E ENTREGA DO TERRITÓRIO DO BRASIL(ParteII)
                                       Profa. Guilhermina Coimbra*

É da maior importância que os brasileiros tomem  conhecimento de alguns artigos importantes da DECLARAÇÃO DA ONU/CONVENÇÃO 169 da Organização Internacional do Trabalho/OIT-ONU, sobre os Povos Indígenas, aprovada em setembro de 2007, porque tais artigos implicam na perda de território do Brasil:
.............
Artigo 3

Os povos indígenas têm direito à autodeterminação. Em virtude desse direito determinam livremente sua condição política e buscam livremente seu desenvolvimento econômico, social e cultural.
Artigo 4
Os povos indígenas, no exercício do seu direito à autodeterminação, têm direito à autonomia ou ao autogoverno nas questões relacionadas a seus assuntos internos e locais, assim como a disporem dos meios para financiar suas funções autônomas.

Artigo 5
Os povos indígenas têm o direito de conservar e reforçar suas próprias instituições políticas, jurídicas, econômicas, sociais e culturais, mantendo ao mesmo tempo seu direito de participar plenamente, caso o desejem, da vida política, econômica, social e cultural do Estado.
 Artigo 41
Os órgãos e organismos especializados do sistema das Nações Unidas e outras organizações intergovernamentais contribuirão para a plena realização das disposições da presente Declaração mediante a mobilização, especialmente, da cooperação financeira e da assistência técnica. Serão estabelecidos os meios para assegurar a participação dos povos indígenas em relação aos assuntos que lhes afetem.
Os desavisados e os ausentes de saber por falta de informação que lerem o documento podem até achar que o mesmo reflete uma vontade sincera de "ajuda", aos "pobres" índios, vitimas da Civilização Ocidental judaico-cristã,tipo, "Oh! quão "caridosa" é a Declaração  da ONU".
Mas não é e explicamos porque.
Uma leitura atenta, atinente aos objetivos finais, expressos no articulado acima, mostra que a Declaração da ONU, levada às últimas consequências pode configurar a fragmentação do Brasil em áreas precisamente das mais ricas em termos minerais.
Sintomático disso, é a presença de inúmeras ONGs, cerca de 300, patrocinadas e financiadas pelos mesmos que cobiçam a Amazónia, praticamente desde que os portugueses a legaram ao Brasil. 

As autoridades brasileiras que comandam os destinos do País, nos últimos 12 a 15 anos, não tiveram uma postura de defesa do território do Brasil.
Vale dizer as autoridades brasileiras que comandaram e comandam os destinos do País, nos últimos 12 a 15 anos, não tiveram uma postura de defesa dos interesse da  população brasileira - que absolutamente não  quer se tornar refém da importação de combustível, minérios estratégicos e outros, pelo tempo e pelo preço que convier aos sócios dos indígenas apoiados pelos Membros do Conselho ONU.
É claro e evidente que países como os USA e a Inglaterra (precisamente os que hoje mais reclamam para eles a riqueza do Amazonas) não  subscreveram a Declaração da ONU, salvaguardando o inalienável Direito deles   à Soberania sobre os seus respectivos territórios nacionais.
Curiosa a coincidência da data limite da aprovação daquele documento pelo Senado Brasileiro, Julho de 2014, coincidir com a euforia da Copa do Mundo no Brasil. Muito conveniente essa coincidência. 
O evento servirá para que os Senadores discutam o problema e o aprovem longe dos holofotes do escrutínio da opinião pública, uma opinião pública muito formatada para - ridiculamente - ver o índio como uma espécie em extinção.
Território é elemento constitutivo do Estado. População sem território se torna refém dos que dele sem apossaram como espoliadores da vez. Leiam os  jornais e vejam o que ocorre com os refugiados obrigados a viverem, por força de tratados entreguistas dos territórios deles, asssinados por governantes entreguistas deles, em diversas partes do mundo.
Território brasileiro não se entrega, muito menos, se, no território do qual se trata, se encontra a parte fértil prevista para abastecer de combustível - a mola do mundo - e de produtos oriundos da biodiversidade, esta e as futuras gerações de brasileiros e residentes no Brasil.
Podem se iludir à vontade. Podem espalharem a boca pequena que é questão de tempo, que os brasileiros se compram por trinta dinheiros e que são todos uns corruptos a espera de quem der mais. Podem se iludir à vontade.
Mas, para o bem das empresas - que do Brasil retiram os seus maiores lucros -  melhor, não continuarem com  essa tática - ou será estratégia? - usualmente utilizada mundo afora, como "exemplos" do que acontece com os que resistem: todos risíveis de tão  ridículos.
O Brasil merece respeito!

Curricum Lattes.
* Professora-Adjunto IVde Direito Constitucional, Teoria Geral do Estado, Direito Internacional, Instituições de Direito Público e Privado, Legislação Profissional e Social, da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro-UFRRJ, Brasil; Advogada; Mestrado em Direito e Desenvolvimento/Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro/PUC/RJ, Brasil; Doutorado em Direito e Economia/UGF/Rio de Janeiro, Brasil; Presidente do Instituto Brasileiro de Integração das Nações-IBIN,  Membro Coordenadora da Comissão Permanente de Direito Internacional,  Membro da Comissão Permanente de Direito Constitucional e Ambiental  do Instituto dos Advogados Brasileiros, RJ, Brasil; Membro da International Nuclear Law Association/INLA/Bruxelas, Bélgica, www.aidn-inla.be ; Membro do Conselho da Federação Interamericana: www.iaba.org  ;Membro do Conselho Editorial do International Nuclear Law Journal, Paris, França: www.inderscience.com , Index British Library e colunista do Jornal Cidade da Barra: www.cidadedabarra.com.br    ;E.mail: coimbra@ibin.com.br ; www.ibin.com.br   * Profa. Guilhermina Coimbra  (Parte I e Parte II)

20 comentários:

Alírio Cavalcanti Ferreira disse...

Caso o governo brasileiro NÃO RENUNCIE até JULHO/14 ao TRATADO ASSINADO NA ONU SOBRE AUTONOMIA DOS POVOS INDÍGENAS...A ONU PODERÁ APROVEITAR A CONVENÇÃO MUNDIAL EM SETEMBRO DE 2014 E ACEITAR POR ACLAMAÇÃO A AUTONOMIA E INDEPENDÊNCIA DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL (QUE SÃO BRASILEIROS COMO NÓS; MAS QUE TRATAM COMO POVOS INDÍGENAS PARA CRIAR A SITUAÇÃO...). PRECISAMOS FAZER PRESSÃO E CONSEGUIR QUE O GOVERNO DECLARE-SE CONTRÁRIO A ESSE CRIME DE LESA PÁTRIA.
RUMO A 1 (UM MILHÃO DE ASSINATURAS) REPASSE! Temos pouco tempo...MAS CONSEGUIREMOS!

NOTÍCIAS, DADOS E PRAZO: http://tribunadaimprensa.com.br/p=81669

Alirio Cavalcanti Ferreira disse...

As ONG'S internacionais já providenciaram contratos que lhes permitirão tirar proveito da situação e das riquezas quando a independência for proclamada, que poderá ser feita já a partir de agosto de 2014; no caso de o governo NÃO RENUNCIAR AO TRATADO FIRMADO NA ONU acessem e leiam (há várias fontes que podem ser pesquisadas)
http://www.aspan.org.br/tratado_ongs/38-INDIOS_ONGS.PDF

ONU quer a Amazôniahttp://www.youtube.com/watch?v=VUJHK-bMi6k

Villas Bôas avisou...

http://www.youtube.com/watch?v=tzBaui-zTRE

Anônimo disse...

"Terras indígenas em região de fronteira também preocupam o general Luiz Eduardo Rocha Paiva. Para ele, as reservas passaram a constituir um problema para a soberania nacional depois que o Brasil ratificou, em 2007, a Declaração dos Direitos dos Povos Indígenas, na Organização das Nações Unidas (ONU). O documento estabeleceu, entre outros princípios, que os índios têm direito ao autogoverno, à livre determinação política, a instituições políticas e sistemas jurídicos próprios, a pertencer a uma nação indígena, a vetar atividades militares em suas terras, e ainda a aceitar ou não medidas legislativas da União. Ações militares, legislativas ou administrativas do Estado em território indígena deverão ser previamente consentidas pelos índios.“Se isso de fato acontecer, nós vamos atomizar a Federação, porque há mais terras indígenas do que estados da Federação. E lembro que, se há terra, se há povo considerado nação e se há instituições políticas e jurídicas próprias, isso é um Estado-Nação. Aí que está a ameaça”,

Marilda Oliveira disse...

Ex-presidente Collor de Melo criou a área Ianomami com 9,4 milhões de hectares. Portaria 580 de 15 Nov 91 do Ministro da Justiça Jarbas Passarinho. Principe Charles Promoveu um seminário a bordo do seu iate Britannia, no rio Amazônas, com a presença do Pres Collor, o Min Lutzenberger e autoridades britânicas,assunto: A Reserva Ianomâmi, etnia inventada por antropólogos da WWF. Collor criou a Survival Internacional em 1991, para ser um braço indigenista da WWF. Não foram ouvidos o Conselho de Defesa Nacional, os Ministros Militares nem os Governos da Região. Gov da Venezuela faz o mesmo com 8,3 milhões de hectares. Nação Ianomami com 17,7 milhões de hectares. Collor absoluto entreguista.
http://mudancaedivergencia.blogspot.com.br/2012/02/wwf-ong-britanica-no-ataque-contra.html

Marilda Oliveira disse...

A ONU não pode se sobrepor ao Direito Interno do Brasil. O perigo está na Convenção 169 da OIT (acessem o google e veja que barbaridades em relação aos "povos indígenas e tribais"). Isso por que a CF (§ 3° do art 5°), por força da Emenda Constitucional nº 45 de 2004, determina que todo tratado ou convenção internacionais referentes a direitos humanos têm força de Constituição (precisa ser aprovada por 3/5 de cada Casa do Congresso, em duas votações em cada Casa, e sancionada pelo presidente da República. Ainda não é o caso da Declaração dos Direitos Indígenas (uma simples declaração) até se transformar, pela ONU, em tratado ou convenção. Mas isso se choca com várias cláusulas constitucionais pétreas que não admitem a divisão (esfacelamento de nosso território) e, neste caso, como consabido, o nosso Direito possui supremacia sobre o Direito Internacional.

Marcos disse...

Por favor, Alírio ou mais alguém: qual o Link atual para as assinaturas?

O link informado não está mais funcionando ou foi removido:

http://tribunadaimprensa.com.br/p=81669

Marilda Oliveira disse...

Prezado Marcos.
Segue e-mail
c/c: ALIRIO CAVALCANTI FERREIRA
aliriocavalcanti@ig.com.br

Marilda Oliveira disse...

Prezado Marcos.
Segue também o e-mail da Dra. Guilhermina Coimbra:

"IBIN" <coimbra@ibin.com.br

Saudações Fraternas,

Tribuna da Imprensa disse...

GOVERNO BRASILEIRO TEM PRAZO ATÉ 24 DE JULHO PARA REVOGAR A INDEPENDÊNCIA POLÍTICA E TERRITORIAL QUE ACEITOU CONCEDER ÀS NAÇÕES INDÍGENAS
Posted on março 6, 2014 by Tribuna da Internet 25 comments
Celso Serra

LINK:
http://tribunadaimprensa.com.br/?p=81669

Adriano Pita disse...

A ONU DECLARA QUE ESTÁ ANSIOSA PELA CHEGADA DA CONFERÊNCIA MUNDIAL DOS POVOS INDÍGENAS DE 2014 ( NA QUAL CERTAMENTE A PAUTA PRINCIPAL SERÁ O DESFECHO FATAL CONTRA O BRASIL).

MUITO PREOCUPANTE PARA O BRASIL!

Chefe de direitos humanos da ONU alerta para risco de confrontos étnicos no Sudão do Sul
Entendam: http://www.onu.org.br/chefe-de-direitos-humanos-da-onu-alerta-para-risco-de-confrontos-etnicos-no-sudao-do-sul/

Adriano Pita disse...

A ONU QUER O BRASIL

https://www.youtube.com/watch?v=VUJHK-bMi6k

Anibal de Freitas disse...

Em todas as reservas homologadas e a homologar futuramente na Amazônia tem forte representação da ONG do futuro rei da Inglaterra com sua ONG SULIVAN. É bom ressaltar outro absurdo: nestas reservas, brasileiro não entra e, pior ainda, até o exército foi barrado por esta ONG, em conclúio com as ONGs brasileiras CIR e CIMI.
Está sendo formada a maior conspiração contra a Soberania Brasileira.

Claudio Ribeiro – C. Abreu, RJ disse...

Bom dia a todos.

Acabo de receber de nosso companheiro Roldão e repasso incontinenti.

Trata-se de assunto afeto à integridade territorial de nossa Pátria, tal como a recebemos há mais de cinco séculos de nossos antepassados.

Não é de agora as tentativas de desunir e dividir a Nação.

Os Povos Indígenas, muitos massacrados pelas expedições portuguesas quando aqui chegaram nos idos de 1500, têm, penso, inequivocamente o direito natural aos espaços físicos onde há séculos nasceram e onde possam viver e conviver com outras populações e manterem as suas identidades culturais, sem no entanto se constituírem em Estados jurídicos dentro da Nação. As últimas reservas concedidas, como, por exemplo, a Raposa Serra do Sol, foram desproporcionais, gigantescas, ante o quantitativo da população indígena autóctone existente. Nessas reservas estão em jogo o interesse de potências estrangeiras, não apenas pelos biomas em si, mas sobretudo pelos minerais estratégicos neles existentes.

Fragmentando-se o Território Nacional, põe-se fim à Pátria.

Tenho um exemplar do livro “Quem manipula os povos indígenas contra o desenvolvimento do Brasil”, de autoria de Lorenzo Carrasco e Silvia Palacios, da Capax Editora, no prelo para o próximo livro a ser lido.

Para a nossa reflexão, esperando ter contribuído para o debate.

Saudações nacionalistas,

Adriano Benayon disse...

Caro Claudio Ribeiro,

Parabéns por divulgar esta mensagem de elevado interesse nacional.

Depois de controlar a economia e a política, em suma, o poder, nos principais centros do País, a etapa seguinte – e atual - da escalada imperial é desagregação territorial, para que a oligarquia assuma o controle de áreas imensas, dotadas de recursos minerais e biológicos excepcionais, tutelando grupos indígenas, até mesmo os que não identidade cultural alguma. Esse foi o caso na enorme reserva dita ianomâmi, pois essa etnia nunca existiu: indígenas de diferentes etnias foram importados para a área.

Uma vez reconhecidas internacionalmente as supostas nações, até com base em Declaração de Comissão da ONU, subscrita pelo Brasil, nosso país perderá qualquer “direito” sobre essas áreas.

Como o Brasil não tem poder militar, nem de longe, capaz de fazer frente às potências imperiais, , será consolidado o controle destas sobre essas áreas, Reino Unido à frente. Hoje, esse controle já está sendo exercido, de fato, por ONGs e organizações “religiosas”. Para tudo isso contaram com a colaboração da FUNAI, uma numerosas entidades do Estado brasileiro ocupada, de há muito, por interesses das potências hegemônicas.
Abraço,

Norton disse...

Caro mestre Adriano Benayon,

Não podemos nos cansar de elevar nossos votos de louvor, de respeito e de admiração ao amigo por todas essas décadas de luta em prol da preservação
de nosso país. Os fatos que estão acontecendo e se materializando contra a integridade e soberania do nosso país são assustadores.

Parabéns também aos guerreiros: Claudio Ribeiro, coronel Gelio Fregapani,
José Netto, Prata e todos os outros valorosos nomes envolvidos nessa luta desigual.

Abraços,

Alírio Cavalcanti disse...

Prezad@s:

Nada é mais URGENTE do que o TEMA aqui debatido e reclamado ( e sobre esse tema venho reclamado há muitos anos)...Li que o BRASIL ainda tem até o dia 24/07/14 para RENUNCIAR JUNTO A ONU - SOBRE ESSE TRATADO DOS POVOS INDÍGENAS; A partir dai as TRIBOS PODERÃO A QUALQUER MOMENTO SOLICITAR APOIO À ONU E REQUERER SUA AUTODETERMINAÇÃO E ASSIM A INDEPENDENCIA; O QUE SUSCITARÁ O SURGIMENTO DE NAÇÕES INDEPENDENTES NA REGIÃO NORTE DO BRASIL. UMA PERDA IRREPARÁVEL E VERGONHOSA! E AINDA; SAIBAM, QUE O TRATADO IMPÕES AO BRASIL E SOCIEDADE; QUE CUSTEIE AS DESPESAS REFERENTES A ESSE PROCESSO...ORA! TROCANDO EM MIÚDOS: DEPOIS DE TRAÍDOS AINDA VAMOS BANCAR A TRAÍÇÃO; O QUE É UMA IMPOSIÇÃO HUMILHANTE. VALE LEMBRAR AOS QUE NÃO SE MEXEM PARA TENTAR IMPEDIR TAL DESFECHO; QUE HOJE TEMOS AMPARO LEGAL PARA RECHAÇAR TAL "ACORDO"...DEPOIS DE JULHO PERDEMOS O AMPARO LEGAL E A PARTIR DAI SEREMOS OBRIGADOS A ACATA-LO OU A ONU TERÁ DIREITO E PRAZER EM CONCLAR O USO MILITAR PARA IMPOR GOELA ABAIXO TAIS OBRIGAÇÕES ESPÚRIAS.
Tenho usado o perfil no face das seguintes personalidade: DILMA ROUSSEF; MICHEL TEMER; ESG - ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA; CLUBE MILITAR; EDUARDO CAMPOS; AECIO NEVES; RANDOLFE RODRIGUES; RONALDO CAIADO; MÁRIO COUTO; PEDRO TAQUES ETC; ESTADÃO; VEJA...PARA COBRAR QUE SEJA APRESENTADO EM TEMPO HÁBIL ESSA RENÚNCIA JUNTO A ONU A ESSE TRATADO ESPÚRIO...OCORRE QUE NÃO VEJO RESPOSTA/AÇÃO...E PEÇO ENCARECIDAMENTE QUE URGENTEMENTE INSIRAM SEUS PROTESTOS SOBRE O TEMA NESSES PERFIS; POIS SÃO DIRIGIDOS DIRETAMENTE Á FONTE E RESPONSÁVEIS PARA APRESENTAREM SOLUÇÃO OU ASSUMIREM A TRAIÇÃO.

O BRASIL E AS GERAÇÕES FUTURAS AGRADECEM

São Salvador, 04/04/2014

Atenciosamente

Profa. Guilhermina Coimbra - comentário importante: disse...

Dividir o Brasil é "o sonho de consumo" de muita gente trabalhando arduamente - na sombra - com esse objetivo.
Geralmente face ao discurso, costuma-se perguntar ou pensar: está ganhando ou espera ganhar quanto para discursar a favor da divisão do Brasil?

Esse discursinho de que ..."o Brasil é muito grande" só deve ser levado em consideração se os exemplos históricos o recomendasse.
E viva latifundiários, capitalistas dos agronegócios, mineiros, garimpeiros, posseiros e outros: a eles devemos a posse efetiva de grande parte do território nacional brasileiro!

Imagina se EUA, por exemplo, aceitaria devolver a parte fértil do território aos mexicanos; se os indígenas norte-americanos (Canadá, principalmente) parassem de se suicidarem, porque as terras lhes foram apossadas e a eles foram dados os apartamentozinhos para residirem, as opções de venderem laranjinhas na beira da estrada ou explorarem cassinozinhos.
Ou, outro exemplo, se a Venezuela aceitasse dividir irmãmente o produto de seu subsolo fértil que nele abunda e etc. etc..

Como diz a garotada, "sem noção"!

Sorry, sorry, prezado correspondente, mas o território brasileiro é sagrado, não é objeto de negociação.

A formatação do território brasileiro foi conseguida a custa de muito sacrifício (lembra dos "bandeirantes", "das entradas e bandeiras"?

Pois é: foram os paulistas que desbravaram o território do Brasil - e positivamente, impensável que o desbravamento tenha sido feito para ficar "adormecido" enquanto conviesse ao mercado internacional de matérias-primas preciosas e etc. etc., e depois "vendido" aos tais interesses por transversas maneiras).
Nem, muito menos, para ser vendido pelos indígenas a todo tipo de interesses, entre eles o do mercado internacional de matéria-prima transformável em combustível, de olho no mercado consumidor brasileiro.
Imagina, se existe a menor chance de concordar que o Brasil - o Brasilzão que não vai se fragmentar, sorry, sorry - fique a mercê do preço e da vontade deste mercado!
Aí, somente usando liguagem do face: vão esperando, kkkkkkkkk.

A pergunta que não quer calar: ainda não estão satisfeitinhos, não?
Não bastou a reserva dos Ianomânis, concedida por presidente sem noção, por injunção de atriz até então completamente desconhecida, elevada à categoria de "star" pelo feito?
De passagem lembro que estudos demonstram que nem em 4 mil anos os ianomânis (que índios são estes?) conseguiriam atravessar a "area yanomâni" que lhes foi doada.
Pobre presidente: a doação do território do Brasil nem mesmo lhe garantiu a segurança do mandato. Com território brasileiro, não se brinca, porque os quase 300 milhões de brasileiros vão precisar em ordem crescente cada vez mais de todos os recursos que se encontram em terras brasileiras: exportar? somente o excedente! G.C.

Anônimo disse...

O congresso já aprovou a permanência de forças extrangeiras no Brasil.

Ele vão aproveitar a Copa do Mundo para colonizar o Brasil.

Anônimo disse...

Cadê os militares? Eles não vão fazer nada?

E os que cometeram crime de lesa pátria vão ficar impunes ?

Julio Neto disse...

Além de orar pela intervenção das forças armadas em tempo hábil, PRECISAMOS USAR A COPA DO MUNDO CONTRA ESSES CANALHAS – VAMOS APOIAR A PM CONTRA BADERNEIROS (que desçam o braço nos Black Blocs e outros “idiotas úteis”). A COPA É O MELHOR PALCO PARA PROTESTAR CONTRA A OIT 169 – CONTRA o PT e CONTRA O SOCIALISMO/ COMUNISMO QUE ESTÁ AFUNDANDO O BRASIL –

( Lembrando que nossa melhor opção Não socialista p/ a presidência é BOLSONARO, mas também temos DENISE ABREU e PASTOR EVERALDO – Aécio Neves é um meio termo – O que não podemos permitir é a intensificação do socialismo, seja pela reeleição de Dilma ou Eduardo Campos)