quarta-feira, 6 de abril de 2016

Panamá a lavagem de dinheiro do Brasil e os Conflitos de Interesses com a Odebrecht

Mais espetacular ainda é pensarmos! Como o Fôro de SP 'supervisiona' a lavagem do produto do tráfico de Armas e Drogas na América Latina? [1] 
É,  o ex-presidente Lula acreditava que pode ter suas influências políticas usadas ilegalmente para pressionar governos estrangeiros em nome da empresa de construção e empréstimos a juros baixos garantidos de banco estatal do Brasil.
O ex-presidente Lula da Silva  está sendo investigado por viagem para o Panamá  sob escrutínio é um empréstimo de 2006 feito pelo Banco Nacional BNDES de $ 152.800.000 para o uso na construção da estrada Madden-Colón.

Correspondência entre a embaixada do Brasil no Panamá e do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, que indicavam que Lula da Silva tentou influenciar uma série de decisões relativas a produção de etanol, o estabelecimento de um centro de treinamento de vôo e outras questões de desenvolvimento, incluindo o estabelecimento de bancos brasileiros no Panamá.

De acordo com a correspondência, a visita do ex-presidente para o Panamá maio 2011 incluiu uma visita ao projeto Curundú, que estava sendo feito pela Odebrecht. Lula da Silva participou da inauguração da segunda fase da faixa costeira e participou de um jantar privado organizado pela Odebrecht Funcionários que incluiu Martinelli e outros altos funcionários.

A revista brasileira publicou recentemente uma investigação sobre possível tráfico de Lula da Silva de influência em nome de Odebrecht.

De acordo com a revista, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social forneceu US $ 4,1 bilhões para projetos da Odebrecht no país clubes Gana: como, República Dominicana, Venezuela e Cuba, bem como Panamá.

Odebrecht recebeu projetos no valor de $ 8 bilhões em Panamá, quase US $ 1,9 bilhões mais recentemente para a construção da Linha 2 do Metro. Também se construiu a primeira linha do sistema.[2]


Panamá e os Conflitos de Interesses com o Brasil. A Obra da Odebrecht no Panamá financiada pelo BNDES, pode colocar em risco Patrimônio da Humanidade [3].

VIAGEM PRESIDENCIAL À CIDADE DO PANAMÁ/PANAMÁ - 09 e 10/08/2007
Presidente Lula e o presidente do Panamá, Martín Torrijos, durante assinatura de atos no Panamá - Fotos: Ricardo Stuckert
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi recebido  20/5/2011 pelo presidente do Panamá, Ricardo Martinelli, antes da cerimônia de inauguração de uma extensão de orla marítima construída na Cidade do Panamá pela empresa brasileira Odebrecht, multinacional da área de construção. (Foto: AP)
A elite que usa Lacoste e chapéu legítimo Panamá.
O ex-presidente Lula viajou em janeiro de 2013 às custas da Construtora para o Caribe com seus amigos o biógrafo Fernando Morais e o presidente do Sindicato do Metalurgicos do ABC Rafael Marques. O voo éra 'completamente sigiloso' da Líder Taxi Aéreo a Odebrecht pagou a parceira DAG Construtora da BA para pagar a despesa, o dono da empresa Demerval Gusmão pagou 435 mil à Líder a pedido da Odebrecht mantendo 'tudo' às escondidas.
O ex-presidente do Panamá, Martin Torrijos, visitou  terça-feira 17/09/2013 o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Os ex-presidentes conversaram sobre a conjuntura política do Panamá e a integração da América Latina. O encontro aconteceu na sede do Instituto Lula, em São Paulo.

Foto: Heinrich Aikawa/ Instituto Lula
Foto: Heinrich Aikawa/ Instituto Lula
10/11/2014- São Paulo- SP, Brasil- Lula e ex-presidente do Panamá Martín Torrijos conversaram sobre as recentes eleições no Brasil e no Panamá e sobre o processo de integração latino-americana. Também falaram sobre a triste tragédia ocorrida em Iguala, México, onde 43 estudantes que participaram de um protesto contra o governo local foram assassinados.
Pedestrians talk near a parking lot outside the building housing the offices of the Mossack Fonseca law firm in Panama City, Panama, on Tuesday, April 5, 2016. For decades, Jurgen Mossack and Ramon Fonseca have been the go-to guys in Panama for international investors looking to put their money in far-flung places. Reports now allege their firm played a critical role in helping political leaders around the world move money offshore. Photographer: Susana Gonzalez/Bloomberg via Getty ImagesPanama's Minister of the Presidency Alvaro Aleman (R) and Vice-Foreign Minister Luis Miguel Hincapie offer a press conference about the Mossack Fonseca firm and the Panama Papers revelations, in Panama City, on April 5, 2016.
A massive leak -coming from Mossack Fonseca- of 11.5 million tax documents on Sunday exposed the secret offshore dealings of aides to Russian president Vladimir Putin, world leaders and celebrities including Barcelona forward Lionel Messi. An investigation into the documents by more than 100 media groups, described as one of the largest such probes in history, revealed the hidden offshore dealings in the assets of around 140 political figures -- including 12 current or former heads of states. / AFP / RODRIGO
PANAMA-PAPERS-MOSSACK-FONSECA
Ministro do Panamá da Presidência Alvaro Aleman (R) e Vice-chanceler Luis Miguel Hincapie oferecer uma conferência de imprensa sobre a empresa Mossack Fonseca e as revelações do Panamá papéis, em Panama City, em 5 de Abril de 2016. Um vazamento massivo -coming de Mossack Fonseca- de 11,5 milhões de documentos fiscais no domingo expôs as relações marítimas secretos de ajudas ao presidente russo Vladimir Putin, líderes mundiais e celebridades, incluindo atacante do Barcelona Lionel Messi. Uma investigação sobre os documentos por mais de 100 grupos de mídia, descritos como um dos maiores escândalos da história, revelou as relações marítimas ocultas nos activos de cerca de 140 figuras políticas - incluindo 12 chefes atuais e antigos dos Estados. / AFP / RODRIGO
Não é ainda conhecida a forma como estes documentos chegaram ao diário alemão Süddeutsche Zeitung, que os fez chegar ao Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ, na sigla inglesa), que em seguida repartiu o trabalho de investigação pelas publicações que são seus membros.

Este escritório, que funciona algures no bairro de torres de vidro no centro de negócios do Panamá, foi cofundado por Jürgen Mossack, nascido na Alemanha em 1948, antes de emigrar com a família para o Panamá, onde se formou em Direito.

O pai de Jürgen Mossack era um nazi, que serviu nas SS, as unidades de elite nas forças alemãs durante a Segunda Guerra mundial, de acordo com o ICIJ, que cita documentos das forças armadas norte-americanas, segundo os quais terá feito serviços de espionagem para a CIA de acordo com o Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ, na sigla em inglês)[4].  Investigações e documentos que vieram à tona mostram que o pai de Jürgen Mossack ofereceu seus serviços de espião ao governo americano para comunicar atividades comunistas na vizinha Cuba.[5]
Lista de clientes inclui traficantes de drogas
Há também integrantes da máfia e políticos

O Departamento de Estado dos Estados Unidos questionou os “estranhos acordos de partilha” entre a pequena nação de Niue e a Mossack Fonseca e advertiu que a indústria offshore de Niue “tinha ligações com a lavagem de proventos criminosos da Rússia e da América do Sul”. Perder Niue, não desacelerou os negócios da Mossack Fonseca.  A empresa simplesmente transferiu suas operações e encorajou seus clientes que tinham companhias em Niue a reabri-las em Samoa, um país próximo. Quando as Ilhas Virgens Britânicas reprimiram o uso de  ações ao portador em 2005, a Mossack Fonseca transferiu esse tipo particular de negócio para o Panamá. A ilha caribenha de Anguilla, que viu o número de empresas abertas mais do que dobrar entre 2010 e 2011. Anguilla é agora uma das 4 principais jurisdições da Mossack Fonseca para abertura de empresas offshore[6].
O ICIJ e o jornal alemão Sueddeutsche Zeitung obtiveram os documentos.
O Panorama, programa investigativo da BBC, é um dos 107 veículos de comunicação de 78 países que analisaram os documentos.
A BBC desconhece a identidade das fontes [7].


3 comentários:

dragaoforte disse...

FOMOS EXPROPRIADOS DO NOSSO RICO DINHEIRO...ENQUANTO ISSO - HOSPITAIS, ESCOLAS, RODOVIAS....QUE O POVO SE F.DA!!!!!!!!!!!! ESSE É O PENSAMENTO DESTES CANALHAS...ESTAMOS NAS MÃOS DESTES ABUTRES!!!!!!!!!!!!!

Marilda Oliveira disse...

Grata dragaoforte por seu comentário. Estamos nas mãos destes abutress, com a Câmara absolutamente corrupta, votando secretamente o Parlamentarismo no Brasil para ganharem a imunidade parlamentar; a presidente e o vice-presidente, usando o palácio do governo para comprar com o erário, parlamentares para votarem à favor deles; o STF absolutamente aparelhado, comprado com o erário desviado, inocentando o bandido e acusando a Justiça que investiga para punir os corruptos; enquanto isso o Tesouro se abastece de papeis tóxicos, a dívida pública(que dívida é esta) de agiganta, o BNDES doando, o Banco Central autorizando US$18 bilhões para o BRICS, enquanto o Banco do Brasil e CEF se preenche com o fruto do contrabando de armas e drogas como menciona o International Consortium of Investigative Journalists em seus artigos. O que devemos fazer é aguardar, como está o mundo não pode continuar, os comunistas secretamente introduziram a doutrina de Lenin: Mentir, Mentir, Mentir, enganar, enganar, enganar. Grata.

dragaoforte disse...

QUE BARBARIDADE.....E ESSA DE PARLAMENTARISMO????? O POVO NÃO SABE DE NADA!!!!!!!!!!!!!