quarta-feira, 27 de abril de 2016

Créditos de Carbono, Agenda 21, OIT 169, a Farsa do Aquecimento Global na criminalização do CO2: Controladas pela ONU!

Nota minha: - Tem esta a finalidade de demonstrar a farsa do aquecimento global para encobrir as finalidades da usurpação  dos países sempre em desenvolvimento pelos senhores do mal, utilizando a Agenda 21, a OIT 169, a Parceria Público Privada, a figura do comunista Lenine nas apresentações do inconstitucional Fôro de São Paulo, o CO2 ar da vida transformando-o em commodities, a inibição em deixar o Brasil desenvolver outras fontes de energias  como poderão ver à seguir;  analisem, pesquisem,  repassem...
  • “o efeito resultante do aquecimento e do aumento nas concentrações de dióxido de carbono na atmosfera é  benéfico para os seres humanos, as plantas e os animais selvagens”.
  • Ambas as conclusões contradizem as conclusões dos relatórios amplamente citado do IPCC da ONU.[1]
  • Por trás da criminalização do CO2 estão os mono e oligopólios mundiais, quer sejam privados ou estatados, tentando criar novos combustíveis, pois os usuais, baseados no carbono, são eficientes, baratos, acessíveis e a cada dia mais limpos. Um carro convencional hoje emite 100 vezes menos poluentes do que a apenas 50 anos... (Thomas Renatus Fendel )
O governo do PT direcionado pelo Fôro de São Paulo desmontou a Petrobrás agência nacional  de petróleo estrutural, e financeiramente, pelo desvio do erário, pela corrupção criando dívidas imensas nacionais e internacionais a longo prazo. A salvação do Brasil a curto prazo será a exploração do gás xisto. Para extraí-lo é preciso fragmentar (a técnica do fracking, ou fragmentação) as rochas, injetando no subsolo água, areia e produtos químicos. Esta imensa fonte de energia está prestes a ser explorada no país em grande escala. A internacional ambientalista no Brasil, a mesma usurpadora que comento à seguir, e a hostilidade de  militantes da esquerda contra a exploração e polêmica do gás de xisto; — para muitos  emessetistas (MST) o governo distribuiu na esplanada mesmo, novas terras (PPPs Parcerias Público-Privadas). O ambientalismo não tem verdadeira militância e precisa recorrer a “golpes” deste nível, quem recebe a terra nem fica sabendo à que se destina [6]. Cabe-nos ficar atentos para que não nacionais explorem e se beneficiem do que pertence ao Brasil, ao povo brasileiro.
insulto ao Brasil pelo governo, apresentar 
Lenine o maior sanguinário genocida da extinta União Soviética, como que, agora, 
dirigindo o Brasil através do Fôro de São Paulo.
 - Programa de planejamento urbano da ONU transforma a população em meros servos que são facilmente controladas pelo governo

-   A agenda 21 por trás da transferência de terras públicas para as mãos de ambientalistas, índios e empresas privadas, também conhecido como PPPs - Parcerias Público-Privadas.

-  A Parceria Público-Privada (PPP) é um contrato de prestação de obras ou serviços não inferior a R$ 20 milhões, com duração mínima de 5 e no máximo 35 anos, firmado entre empresa privada e o governo federal, estadual ou municipal. LEI No 11.079, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2004.

-  Principais temas tratados na Agenda 21 Eco-92, realizada na cidade do Rio de Janeiro entre 3 e 4 de junho de 1992. Organizada pela ONU (Organização das Nações Unidas)
- Combate à pobreza.
- Cooperação entre as nações para chegar ao desenvolvimento sustentável.
- Sustentabilidade e crescimento demográfico.
- Proteção da atmosfera.
- Planejamento e ordenação no uso dos recursos da terra.
- Combate ao desmatamento das matas e florestas no mundo.
- Combate à desertificação e seca.
- Preservação dos diversos ecossistemas do planeta com atenção especial aos ecossistemas frágeis.
- Desenvolvimento rural com sustentabilidade.
- Preservação dos recursos hídricos, principalmente das fontes de água doce do planeta.
- Conservação da biodiversidade no planeta.
- Tratamento e destinação responsável dos diversos tipos de resíduos (sólidos, orgânicos, hospitalares, tóxicos, radioativos).
- Fortalecimento das ONGs na busca do desenvolvimento sustentável.
- Educação como forma de conscientização para as questões de proteção ao meio ambiente.

-  Em 1955, o então primeiro-ministro soviético, Nikita Krushchev, decretou que o dia 22 de abril passasse a ser o dia de celebração do comunismo. Em 1970, foi escolhido para ser o Dia da Terra por Gaylord Nelson, um dos fundadores do evento. Esses fundadores dispunham de 365 dias entre os quais escolher. Escolheram o dia de aniversário de Lenine. 

    Lorde Monckton fala sobre o plano globalista de morte à humanidade da Agenda 21


    Isso é o que está por detrás de tudo. Considero-me uma ambientalista, mas não desse falso ambientalismo.

    Não existe uma real preocupação com o futuro do planeta; o que existe é uma preocupação no sentido de que os países ricos e mais poluidores em especial a China, continuem a manter sua hegemonia de dominação mundial, impedindo que outros países se desenvolvam.

    Os ricos podem ter energia nuclear, atômica, hidrelétrica, fóssil, etc, etc. 
    Os países pobres e os chamados "em desenvolvimento" não podem crescer e evoluir tecnologicamente e têm de pagar um alto preço (quase sempre impeditivo) se quiserem fazer parte do clube.
    • Água, minerais, lítio e carbono viram estrelas no novo ciclo de commoditie.
    • Aquecimento global, estiagens frequentes e oferta limitada do recurso natural estão transformando a água em commodity. 
    O Clube de Roma é um grupo de pessoas ilustres que se reúnem para debater um vasto conjunto de assuntos relacionados à política, economia internacional e, sobretudo, ao meio ambiente e o desenvolvimento sustentável. Foi fundado em 1968 pelo industrial italiano Aurelio Peccei e pelo cientista escocês Alexander King.Tornou-se muito conhecido a partir de 1972, ano da publicação do relatório intitulado “Os limites do crescimento”, elaborado por uma equipe do MIT, contratada pelo Clube de Roma e chefiada por Dana Meadows, tem sido alvo de inúmeras críticas e teorias da conspiração que envolvem dinheiro, poder, alinhamentos político-ideológicos mundiais e o futuro de bilhões de pessoas nas mãos de tão poucos, disfarçados sob o debate do meio-ambiente sustentável.

    O relatório “Os limites do crescimento”, que ficaria conhecido ainda como “Relatório do Clube de Roma” ou “Relatório Meadows”, tratava de problemas cruciais para o futuro desenvolvimento da humanidade, tais como: energia, poluição, saneamento básico, saúde, ambiente, tecnologia e crescimento populacional; esse relatório foi publicado e vendeu mais de 30 milhões de cópias em mais de trinta idiomas, tornando-se o livro sobre meio-ambiente até hoje mais vendido da história.

    Alguns historiadores e ambientalistas apontam que esse relatório teria sido o precursor de diversos documentos e debates atuais, como o Protocolo de Quioto, a Eco 92, a Rio+20 etc. Também começou a desenvolver as ideias de aquecimento global, efeito estufa e extinção de espécies de animais e plantas.
    Em 1992, o presidente dos Estados Unidos era George Bush o pai,  enviou uma delegação imensa para o Rio com hábeis negociadores dispostos a acomodar as convenções mundiais aos interesses do país, então responsável por um quinto das emissões mundiais de gases estufa. Eles não esperavam dar com um anfitrião de opinião: o ministro do Meio Ambiente do Brasil à época era o físico José Goldemberg[3] e ele contava com a assessoria de cientistas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), como Luiz Gylvan Meira, um dos criadores do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL)Durante as duas semanas de acaloradas discussões formaram-se alianças inéditas, como o alinhamento entre Brasil, China e Índia, ao qual depois aderiu à Rússia, dando origem ao grupo conhecido como BRIC.


    Os chamados "créditos de carbono", à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, criados no Protocolo de Kyooto em 1997 na cidade japonesa, estabelece metas para a redução de gases poluentes, 30 paÍses ratificaram inclusive o Brasil, virou moeda às custas do falso ambientalismo. [3]
    Foto: PNUMA
    Arquitetura dos Credit Default Swaps por trás dos "Derivativos do Carbono"

    • Em cima de uma imposição desenha-se uma nova imposição. À apregoada imposição de um mítico aquecimento global seguiu-se a imposição de atribuir todas as culpas desse não-acontecimento ao diabolizado dióxido de carbono (CO2)  isso mesmo, o gás que você solta após a respiração ¬¬').
    • E agora temos o culminar disso tudo, ou seja, a imposição da imposição da imposição (seria melhor dizer imposição ao cubo) em que banqueiros trapalhões esfregam as mãos contentes arquitetando novas negociatas com o dito carbono.
    • Politicos de todo o mundo, abrigados nos hotéis de luxos de Copenhague, fingiam estar defendendo o "ambiente" e preparavam-se para dar o sinal verde para estas novas negociatas do capital financeiro.

    Goldman Sachs Buys Into Carbon Offsets

    13 de novembro de 2008 14:29 Link 
     tempestade gerada pela ganância desenfreada parece prestes a explodir no horizonte distante. 
    + $ 6 bilhões em bônus para a Goldman Sachs.
    + $ 6 bilhões em bônus do Morgan Stanley.
    US $ 66 bilhões em bônus estão sendo reservados para o "engenheiros" do sistema financeiro e da globalização económica. 



    A seguir está uma lista com alguns dos bancos mais ativos, e as commodities de carbono.

    Bank of America Merrill Lynch
    Originação de projetos de carbono com proteção florestal (REDD)
    Estruturação e investimentos nos mercados voluntários de carbono
    Investimentos verdes e private equity

    Barclays Capital
    Formador de mercados para clientes  e através de mesa proprietária
    Alega ter negociado 2 bilhões de toneladas de permissões de carbono
    Não possui investimentos proprietários em commodities de carbono
    Grupos de pesquisa e estruturação

    Citi
    Investimentos  no Sindicatum Carbon Capital
    Negociações proprietárias

    Deutsche Bank
    Origina MDL e outros projetos de compensação de carbono
    Formador de mercados nos esquemas europeus de carbono
    Grupo de pesquisas

    Fortis Bank Netherlands
    Oferece financiamento de projetos para desenvolvedores do MDL em conjunto com a compra de créditos
    Formador de mercado no esquema de limite e comércio de emissões europeu

    Goldman Sachs
    Investidor da Green Exchange – NYMEX
    Investidor da desenvolvedora de projetos Blue Source

    JP Morgan
    Possui a agregadora de VERs Climate Care
    Origina projetos de MDL sob negócios climáticos mais amplos
    Formador de mercado no comércio de carbono europeu

    Morgan Stanley
    Investidor da desenvolvedora de projetos MGM
    Negociações proprietárias e para clientes

    Nomura <8604.T>
    Algumas negociações proprietárias e investimento em compensações de carbono

    Societe Generale
    Co-proprietária, junto com a empresa química Rhodia, da desenvolvedora de projetos Orbeo                      A Orbeo comprou a desenvolvedora de projetos de MDL OneCarbon em junho
    A Socgen negocia as compensações de carbono sob o MDL da Rhodia
    Gerencia o Indice Global de Carbono SGI
    [5]
    Resultado de imagem para a farsa do protocolo de kyoto
    O mesmo Goldman Sachs que tem tentáculos  na FED Federal ReserveAcordem ...

    [1]https://agfdag.wordpress.com/2011/09/02/novo-relatorio-sobre-aquecimento-global-contradiz-ipcc-da-onu/

    [2]http://www.wwf.org.br/informacoes/sala_de_imprensa/?5120&gclid=CjwKEAjwxoG5BRCC7ezlzNmR8HUSJAAre36jHNZAI3wIMSSqdVdhPpPgcYVis2eLscX6wQsfuiKkFBoCPKjw_wcB
    [3]http://acordem.com/blog/tag/Falso+Ambientalismo
    [4][22 Abril] é o Dia da Terra e, não por acaso, o aniversário de Vladimir Lenine.
    A ligação entre os dois é controversa mas não inesperada. Tanto Lenine como os "ambientalistas" atuais acreditam que foram ordenados para ditar aos outros como eles devem viver as suas vidas. Ambos também aderem, ou, no caso de Lenine, aderiam, à crença de que o mundo está sobrepovoado. Lenine apenas tinha uma forma mais direta de lidar com o problema. 
    A minha nova citação preferida para o Dia da Terra:
    A grande vantagem de venerar as árvores é que as árvores raramente pedem que nós façamos alguma coisa. Scott Ott sobre Celebrar o Dia da Terra. 
    http://carolyntackettscloset.blogspot.pt/2010_04_01_archive.html 
    Lenine por trás do ambientalismo
    Lenine (nome real Vladimir Ilitch Ulianov), um discípulo de Karl Marx, liderou a Revolução Bolchevique, que tomou o poder na Rússia e criou a primeira tirania comunista mundial. Seu corpo envolto num caixão de vidro está em exposição na Praça Vermelha de Moscovo, ao qual os comunistas de todo o mundo prestam homenagem. Lenine governou pelo terror no período 1917-1924, montando uma força policial secreta - a Cheka. As pessoas que se opunham ao governo comunista eram presas, torturadas e assassinadas. Ele descreveu sua própria ditadura como "o poder, baseado diretamente na força, e sem restrições de qualquer lei."
    Outra coisa que Lenine disse, em relação à apreensão de terras, foi: "Sob o disfarce de Verdes iremos em frente e enforcaremos os kulaks, padres, e latifundiários. Recompensa: 100.000 rublos para cada homem enforcado".
    A política de Lenine (ou seja, a política comunista) é reconhecível nas políticas fundiárias atualmente sendo promulgadas na América do Norte e em outros lugares do cada vez mais diminuto mundo-livre, e como descrito por George Orwell no tema 9. Mantendo as massas sob controle.
    É hora de as pessoas desligarem as suas teletelas e começarem a leitura séria sobre a agenda por trás da transferência de terras públicas para as mãos de ambientalistas, índios e empresas privadas, também conhecido como PPPs - Parcerias Público-Privadas. Especificamente, as pessoas precisam entender que as Nações Unidas (Big Brother) estão ditando as regras. Aprender sobre a Agenda 21, o plano das Nações Unidas de controlar o ambiente mundial, é um bom lugar para COMEÇAR, junto com a leitura dos seguintes links. ~ Jackie Jura
    http://www.orwelltoday.com/agenda21.shtml 

    [5]http://mudancaedivergencia.blogspot.com.br/2016/01/a-verdade-sobre-mudanca-climatica.html
    [6]Tecnicamente a exploração segura do gás de Xisto via Fracking é possível e defendida como energia limpa mas valem os riscos ? Você que trabalha com espeleologia não tem receio de cavernas próximas de Fracking sejam afetadas a longo prazo? antes de explorar é necessário fazer um levantamento das características físicas do local, como por exemplo: ressurgências (nascentes), cavernas (grutas), dolinas, sumidouros entre outras. Estando próxima ou não o importante é explorar procurando causar menor impacto possível aplicando politicas de conservação ambiental, geológica etc. Dessa forma acredito que seja viável.Toda nossa nação precisa ser educada, muitos não fazem ideia do que é uma caverna e do potencial que ela tem. Muitos infelizmente não fazem ideia da riqueza que nós temos, principalmente o gás de xisto, embora seja um bem público da União - ele pertence a nós, temos direito de saber e obrigação de zelar. Como aquífero Guarani... Eu acredito que valeria à pena explorar esse gás, podemos exportar para países vizinhos, temos uma reserva muito grande. 

    Nenhum comentário: