terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Os Judeus e o Tráfico de Escravas Brancas


O filme pseudo-histórico de Steven Spielberg, "Amistad", 

sobre um motim e massacre do século XIX a bordo de um navio espanhol de escravos,
Tráfico de Escravos
 
O filme tende a evitar que a pessoa culpe alguém pela escravidão, exceto gentios brancos. Esta pitada de engano intencional é interessante à luz do fato de que os judeus têm sido dominantes no tráfico de escravos desde, pelo menos, os tempos de Roma -- especialmente no tráfico de escravos brancos.


A história da exploração da Europa oriental pelos judeus é uma história fascinante e enfurecedora. Ao longo da Idade Média e na era moderna eles focaram em lucrar sobre as fraquezas e vícios das populações gentias de poloneses, russo, ucranianos e outros entre quem eles viveram como uma minoria pouco tolerada. Além de serem os emprestadores de dinheiro, eles controlaram o comércio de álcool e eram os proprietários dos estabelecimentos de bebidas, de jogos, e dos bordéis. Vários escritores do século XIX, entre eles Dostoievski e Gogol, descreveram seus efeitos destrutivos sobre a sociedade campesina eslava e a condição perpétua de hostilidade mútua que existiu entre os judeus e os eslavos. 
 
bordel ano 1900
Durante o século XIX e início do século XX, o comércio judaico de escravos brancos destas terras se expandiu enormemente. Foi descrito pelo historiador judeu Edward Bristow no seu livro de 1982, "Prostitution e Prejudice," (Prostituição e Preconceito) publicado pela Oxford University Press (Imprensa da Universidade de Oxford) e Schocken Books (Livros Schocken) em Nova York. Embora o livro de Bristow seja escrito do ponto de vista da pessoa contrária a este comércio judaico de mulheres, é contudo bastante revelador. Os judeus recrutavam as meninas camponesas em aldeias russas e polonesas, normalmente sob falsas promessas, e as transportavam para
bordéis na Turquia, Egito e outras partes do Oriente Médio; para Viena, Budapeste, e outras cidades importantes no Império Austro-Húngaro; e tão longe quanto Nova Iorque, Nova Orleans, e Buenos Aires. 

PROSTITUICÃO

Tráfico de escravas brancas continua a todo vapor em Israel

Por JO STRICH


Agência France Press

TEL AVIV - O tráfico de escravas brancas atinge dimensões alarmantes em israel, onde cerca de duas mil jovens originárias da ex-URSS foram levadas à força nos últimos anos e obrigadas a prostituir-se.
Também são trazidas mulheres do Brasil, país com quem Israel assinou recentemente um acordo destinado a lutar contra esse tráfico.
Segundo um alto funcionário da polícia de Tel Aviv, que pediu o anonimato, "10 mil mulheres praticam a prostituição em Israel, das quais duas mil são russas que foram vendidas para essa finalidade".

Este comércio judeu de mulheres eslavas naturalmente causou muito ódio eslavo contra os judeus, e este ódio inúmeras vezes explodiu em pogrons e outras ações populares contra os judeus. 
 
A pessoa acreditaria, a partir dos trabalhos de Sr. Spielberg e outros propagandistas judeus, que o ódio que os eslavos tinham contra os judeus era baseado unicamente em fanatismo religioso e que os judeus eram completamente inocentes e inofensivos. Um fato fascinante que o livro de Bristow revela é que o centro do comércio judaico de meninas polonesas estava em uma pequena cidade chamada Oswiecim. O nome alemão para esta cidade era Auschwitz. 
 
Eu não pretendo insinuar que os judeus eram os únicos culpados pelo tráfico de escravos brancos. Os políticos gentios e funcionários de polícia aceitaram alegremente subornos dos judeus e em contrapartida lhes permitiram continuar seu negócio sujo. E nos Estados Unidos elementos criminais não-judeus como a Máfia colaboraram com os judeus ou até mesmo executaram suas próprias operações de escravos brancos. Mas o comércio de escravos brancos da Europa oriental foi uma atividade exclusivamente judaica durante os últimos 200 anos. 
 
É irônico que outro empreendimento judeu, o marxismo organizado, criou uma dificuldade temporária para o comércio judeu de mulheres eslavas. Quando os bolcheviques judeus agarraram o controle da Rússia e da Ucrânia depois do Primeira Guerra Mundial, e da Polônia e outras terras eslavas depois da Segunda Guerra Mundial, eles deram um aperto em toda a atividade capitalista, incluindo aquela dos seus irmãos judeus no negócio de escravos brancos. O que eles fizeram no lugar foi estabelecer um enorme império de campos de trabalho escravo, dos quais Alexander Solzhenitsyn escreveu tão eloqüentemente. Negociantes judeus de escravos se tornaram comissários e chefes de campos de escravos. E claro que eles abateram seus oponentes gentios aos milhões. A época de comunismo era a época dos judeus para se livrar de todos os patriotas russos e ucranianos que os tinham odiado por tanto tempo. 
 
De fato, alguma atividade capitalista sobreviveu ao longo dos anos de comunismo na forma de crime organizado. Foram publicados dois livros excelentes sobre o assunto nos Estados Unidos, ambos escritos por judeus soviéticos completamente familiares com crime organizado na União Soviética. Na realidade, um dos autores, Yuri Brokhin, era um ex-sócio de uma gangue judaica de crime organizado na Rússia, onde ele trabalhou como um alcoviteiro. Seu livro, "Hustling on Gorky Street", foi publicado em 1975 através da Dial Press. O outro autor, Konstantin Simis, era um advogado de defesa judeu para criminosos judeus organizados. Seu livro, "USSR: The Corrupt Society" (URSS: A Sociedade Corrupta), foi publicado em 1982 pela Simon and Schuster. Estes dois autores judeus escrevem bastante francamente sobre a dominação judaica do crime organizado durante os anos de comunismo. Na verdade, Brokhin se vangloria com isto. Ele diz que os russos e outros eslavos podem ser apenas criminosos comuns, dependendo de armas e táticas braçais, mas eles não são espertos o suficiente para o crime organizado bem-sucedido e em larga escala; só os judeus são inteligentes o bastante para isso. Um fator que nenhum dos autores menciona, mais importante que inteligência, eram as conexões que os criminosos judeus tinham com comunistas judeus da burocracia soviética. Quando Abe que tinha uma rede de prostituição e drogas em Moscou pudesse contar com seu primo Hymie  no escritório do promotor para se manter informado sobre os planos da polícia para raides, como também ajuda para uma pequena assistência de cobertura caso os assuntos viessem à corte, ele tinha uma vantagem nítida sobre seus competidores russos
 
Eventualmente o comunismo sangrava a Europa oriental até secar, e com as economias dos países debaixo do seu controle à beira de colapso os comunistas trocaram seus chapéus, se declararam "democratas" em vez de comunistas, e anunciaram um retorno ao capitalismo. Os negociantes judeus de escravos voltaram aos negócios, e os negócios eram bons para eles. Outros comunistas judeus também entraram nos negócios. Como as economias foram privatizadas -- quer dizer, como fábricas e negócios nacionais foram vendidos a empresários privados a preços de banana -- os judeus usaram suas conexões com seus irmãos agora "democráticos" nas burocracias para ascenderem. Outros judeus que tinham monopolizado o crime organizado durante os anos comunistas permaneceram como chefes de crime organizado mas ampliaram enormemente a extensão de suas operações. Freqüentemente, os novos empresários e os novos chefões são a mesma pessoa. 
 
O homem mais rico na Rússia hoje é Boris Berezovsky que desde o colapso do comunismo se tornou um multi-bilionário comprando bancos, redes de televisão, e jornais do governo, com a ajuda dos seus irmãos judeus ainda na burocracia. Berezovsky acelera por Moscou vestindo um colete à prova de balas, numa limusine blindada, e qualquer um que esteja no caminho de seus interesses empresariais tem uma tendência a ser baleado ou simplesmente desaparecer. Em riqueza, depois de Berezovsky só outro magnata de mídia judeu, Vladimir Gusinsky. Berezovsky e Gusinsky controlam a maioria dos meios de comunicação de massa na Rússia. Eles também exercitam controle bem completo de Boris Yeltsin, o presidente alcoólatra da Rússia que é um tipo de versão eslava de Bill Clinton com vodca. Apenas através do apoio da mídia de Berezovsky e Gusinsky que Yeltsin venceu sua última eleição. 
 
Se você se lembra, Clinton e toda a mídia judaica 
Americanismo ou judaísmo
nos Estados Unidos também estavam torcendo entusiasticamente para Yeltsin durante aquela eleição. Todos eles tinham medo de que um patriota russo genuíno pudesse bater Yeltsin, o que no caso teria acabado com o controle judaico da Rússia. Depois da eleição, Yeltsin designou Berezovsky para o conselho de segurança nacional da Rússia, mas quando algumas das poucas mídias na Rússia que ainda são independentes deram publicidade às conexões de Berezovsky com gangues judaicas de crime organizado, Yeltsin foi forçado a despedi-lo. Yeltsin compensou isso, porém, designando um outro judeu, Boris Nemtsov, para a posição de deputado primeiro-ministro, uma das posições mais poderosas no governo. Uma coisa que Yeltsin nunca fez, porém, foi qualquer ação para reduzir as operações das gangues judaicas de crime organizado na Rússia, que estão correndo soltas pelo país e exibindo sua riqueza e poder, enquanto os russos comuns lutam para se alimentar e manter suas casas aquecidas neste inverno. 
 
E dezenas de milhares jovens russas e ucranianas bonitas mas ingênuas estão sendo seqüestradas 
Protesto de ucranianas
rapidamente pelas gangues judaicas -- chamadas de gangues "russas" pelo "The New York Times" -- e despachadas para uma vida de miséria e degradação na Turquia, Paquistão, Tailândia, e Israel, como também para países na Europa ocidental onde os judeus também controlam o crime organizado. As jovens, impossibilitadas de achar emprego na Rússia, Ucrânia, ou Polônia, e enfrentando um futuro incerto em países saqueados por décadas de comunismo, estão ansiosas por qualquer chance de uma vida melhor. Elas respondem a anúncios que lhes oferecem emprego no exterior como recepcionistas ou secretárias e também prometem treinamento e transporte gratuito. Mas quando as garotas chegam ao destino encontram algo bastante diferente -- mas aí já é tarde demais. 
 
Um destas garotas, Irina, de 21 anos de idade, uma loira ucraniana de olhos verdes, foi entrevistada em Israel. Ela contou como seu empregador israelita a levou para um bordel logo após sua chegada em Israel. Ele tomou seu passaporte, queimou ele diante de seus olhos, e lhe falou que agora ela era sua propriedade que deveria trabalhar no bordel. Quando Irina recusou, ela foi espancada e estuprada. Mais sortuda que a maioria das mulheres eslavas levadas para o Israel, Irina eventualmente foi levada em uma invasão policial e mandada para a prisão como uma estrangeira ilegal. Ela estava aguardando deportação, junto com centenas de outras mulheres russas e ucranianas, quando ela foi entrevistada. Ela lamentou o fato de que o israelita que a tinha estuprado e forçado a trabalhar no bordel nem mesmo tinha sido preso.

Realmente, de acordo com lei judaica, o estupro de uma mulher gentia não é ilegal. Nem é ilegal em Israel comprar e vender escravos, desde que os escravos não sejam judeus. Incrivelmente, o artigo do "The New York Times" revela este fato. 
 
O tráfico de escravas brancas é um grande negócio em Israel. Autoridades ucranianas estimam que aproximadamente 40.000 mulheres ucranianas de até 30 anos de idade são levadas da Ucrânia a cada ano. Algumas destas mulheres respondem a anúncios de emprego promissor no exterior, como fez Irina, e algumas simplesmente são seqüestradas e contrabandeadas para fora do país. Aquelas que tentam escapar dos seus seqüestradores judeus são tratadas de forma brutal. Freqüentemente elas são mortas na frente de outras mulheres cativas para mantê-las aterrorizadas e elas fazerem tudo o que lhes é dito. Em mercados de escravos operados pelas gangues judaicas na Itália jovens eslavas são despidas, colocadas à venda, e leiloadas para donos de bordéis. 
 
A coisa mais espantosa sobre isso tudo, sobre esse negócio imundo, é que a maioria das pessoas é forçada a saber disto através um jornal judeu como o "The New York Times". E, realmente, você deveria ler para você o artigo ao qual eu recorri. Estava na edição de 11 de janeiro, e não é provável que as notícias sejam repetidas. Mas, pergunte a si mesmo, por que a Interpol, a agência internacional de polícia, não faz algo para acabar com este tráfico de escravas brancas? Por que os governos dos países dos quais as mulheres estão sendo seqüestradas não fazem algo? Por que a mídia de massa não provoca um clamor público? Por que organizações feministas poderosas não exigem a erradicação da escravidão branca? 
 
E a resposta para todas estas perguntas é fácil: elas não ousam fazer ou dizer nada porque é um negócio judaico. Em lugares como Alemanha onde os judeus têm controle quase total de crime organizado, qualquer um que anuncia esse fato publicamente será preso sob a acusação de incitamento ao ódio racial. A Alemanha e maioria dos outros países europeus têm leis contra o que eles chamam "fala de ódio". Dizer qualquer coisa negativa sobre judeus, verdadeira ou não, aciona estas leis. Organizações judaicas -- e, claro, a administração Clinton -- gostaria muito de ter leis semelhantes nos Estados Unidos. A Interpol, que tem muitos outros trabalhos para mantê-la ocupada, não está ansiosa para ser acusada de "anti-semitismo" perseguindo as gangues judaicas de escravos brancos. Até mesmo se a Interpol prendesse os gângsteres, não faria muito bem, porque a dificuldade está em quase todos os lugares. Há uma quantia enorme de dinheiro advinda da venda de dinheiro: dinheiro o suficiente para comprar políticos, burocratas, juízes, e policiais. 
 
Os judeus gostam de falar sobre o assim chamado "Holocausto" do Segunda Guerra Mundial, "Nunca mais". Eles gostam de falar sobre como é necessário acabar com o anti-semitismo e aprovar leis contra a assim chamada "fala de ódio", de forma que não haja outro "Holocausto". Mas pelo próprio comportamento eles garantem que haverá. 
 
Enquanto alguns judeus batem os tambores para mais reparações da Suíça, Alemanha, França, e outros países que eles alegam não os terem tratado corretamente ou tomado seu ouro adquirido de forma escusa há 55 ou 60 anos atrás, outros judeus ainda estão sangrando países como a Polônia, Ucrânia, Rússia, e as nações bálticas de dinheiro e de suas jovens. Países que sofreram durante décadas debaixo do controle brutal de comissários comunistas ainda estão sendo explorados pelas mesmas pessoas, agora se denominando "democratas". 
 
Os judeus acreditam que com o seu domínio sobre os meios de comunicação de massa em quase todos os lugares, com seus laranjas -- como o Bill Clinton e Boris Yeltsin -- em posições de poder no Leste e no Ocidente e com a enorme riqueza que eles têm à sua disposição no Ocidente, e com tantos gentios abarrotados de propaganda do "Holocausto" do tipo produzido por Steven Spielberg e uma centena de outros, eles podem levar adiante sua exploração sobre nós para sempre. Mas eles estão enganados. Eles mesmos estão criando o ódio, o ressentimento, e a raiva que os destruirão: os membros das gangues, os chefes da mídia, os "conselheiros" de Bill Clinton e Boris Yeltsin, o lamentadores profissionais do "Holocausto", os antigos comissários, e todo o resto, até mesmo esses que não são envolvidos atualmente em quaisquer destas atividades. Eles estão garantindo que haverá outro "Holocausto". E desta vez será para valer. 
 encontre e leia este artigo sobre o tráfico de escravas brancas na edição de 11 de janeiro do "The New York Times".
por Dr. William Pierce

Um comentário:

Márcia Regina disse...

O mundo precisa saber disso. Chega de tanta covardia! Mas a questão é como? Como vamos desfazer em alguns dias, meses ou alguns anos uma mentira contada ou uma verdade ocultada por séculos e séculos? Como, se toda a mídia é controlada pelos judeus? A liberdade que temos hoje na net está com os dias contados, editar livros seria uma grande opção mas eles também controlam as editoras, e livro pra ser bem divulgado precisa de muito dinheiro, mas nós não temos tanto dinheiro. Os judeus quando querem apoiar um Paulo Coelho que escreve lixo plagiado mal e porcamente, eles de fato o conseguem porque controlam as editoras as gráficas e as empresas de publicidade:jornais, revists, tvs. Mas nós não temos dinheiro sequer para uma sede e bancar um grupo de pesquisadores encaregados de produzir uma literatura ferroz capaz de levantar as cortinas do teatro judaico e revelar os bastidores. Eles sabiam muito bem disso, para conseguirem a supremacia que tanto desejam e que está enraizada em sua religião teriam de monopolizar toda a mídia e toda a imprensa, assim "matam" dois coelhos numa só cajadada: criam uma realidade virtual para enganar as massas e de quebra impedem que alguém tenha acesso as ferramentas de divulgação conceituadas tidas de alta credibilidade(todas deles obviamente). O que podemos fazer sem poder de voz e sem capital num mundo onde estas duas coisas são imprecindíveis? E como eles conseguiram tamnaho poder? Sempre unidos nesse proósio dia e noite. Enquanto nós somos da filosofia docada um pra si e deus pra todos, eles se juntam, se organizam, definem uma agenda secular e a cumprem a risca. Nós divididos em nossos espaços, e com um pensmaento todo fraguimentado por eles através do controle da educação e da cultura não conseguimos enchegar a ligação dos fatos, vemos tudo aos peaços, a Hist´roia toda seccionada e toda alterada, inclusive o dia a dia. Nós não temos a coesão que eles tem. Não temos interesses tão em comum, vivemos competindo entre nós ferozmente, enquanto eles se unem e se ajudam mesmo que eja par dominar os gentios. Nisto eles são muito superiores, enquanto nos distraímos com a sporcarias fque eles produzem nas tvs, e nos matamos no trablaho para comprar as quinquilharias que eles produzem a altos lucros e juros, eles se reunem em suas mansões dia e noite a planejar cada passo de cada grupo, cada clã, cada sinagoga, cada servo seu, cada membro de sua comunidade, são definitivamente como soldados espartanos, conduzindo ovelhas bobas e sem rumo(nós).